close
Notícias

É como um sonho”, diz ex-engenheiro da Nasa sobre transporte aéreo urbano

24336641

Não há espaço para pessimismo nas declarações de Mark Moore, diretor de engenharia do Uber, ao falar sobre os planos de oferecer transporte aéreo nas grandes cidades com o uso de “carros voadores” – termo de que ele admite não gostar, apesar de não ter encontrado uma alternativa melhor para descrevê-los.

Depois de trabalhar por 32 anos na Nasa, a agência espacial norte-americana, Moore tem se dedicado a tornar possível que veículos elétricos, silenciosos e relativamente pequenos, voem por sobre o tráfego em grandes centros urbanos. O engenheiro considera plausível que, dentro de cinco anos, como pretende o Uber, essa opção, chamada uberAIR, esteja disponível para os primeiros usuários no mundo.

 Esses veículos são grandes drones, pequenos aviões, helicópteros menores, carros voadores? Como defini-los?

Só não gosto de “carros voadores”, porque faz parecer que esses veículos podem transitar no chão, e eles não podem. São otimizados para voar de um terraço para outro. Gosto de chamá-los de “eVTOLs” (sigla em inglês para veículo elétrico com decolagem e aterrissagem verticais) mesmo, mas sou engenheiro, então o termo é bastante descritivo para mim. Ainda não descobri um nome melhor para eles. Mas, com o tempo, acredito que algum nome vai prevalecer, mas ainda não sei qual a melhor descrição.

 Já temos a tecnologia necessária para tornar esses veículos disponíveis a curto prazo?

Temos a tecnologia necessária para começar. Ainda não temos toda a tecnologia que gostaríamos de ter, por exemplo, em relação às baterias, que ainda não são exatamente como queremos. Agora, temos que tornar os veículos muito eficientes em cruzeiro e quando estiverem pairando, para que as baterias durem tanto quanto for necessário. No futuro, os veículos poderão voar ainda mais longe, com ainda mais eficiência.

Uber / Divulgação
Modelo sugerido por MooreUber / Divulgação

O que torna esses veículos mais adequados para o tráfego aéreo urbano do que helicópteros?

A diferença fundamental entre esses sistemas elétricos e as turbinas, por exemplo, que já existem há muito tempo, é que os motores elétricos independem de escala. A eficiência é alta independentemente do tamanho. Fazer uma turbina pequena, em comparação, torna ela muito pouco eficiente. Por isso helicópteros e aviões geralmente só usam um ou, no máximo, dois motores: porque eles precisam ser grandes para serem eficientes e confiáveis. Com motores elétricos, é diferente.

Qual a parte mais difícil de desenvolver em um veículo para transporte aéreo urbano?

A mais fácil é que tudo é elétrico, então funciona muito bem: todos os sistemas são digitais, não há partes mecânicas, como nos aviões ou helicópteros. Assim, a comunicação entre todos os diferentes componentes fica mais fácil. A parte mais difícil é fazer uma máquina silenciosa. E esse é um dos nossos focos. Para que esses veículos sejam “abraçados” pelas comunidades, é preciso que o barulho não incomode.

Assessoria de comunicação

O Autor Assessoria de comunicação

A Inove Comunicação tem know-how na divulgação de eventos nacionais e internacionais e tem como missão dar, a cada cliente, visibilidade na mídia, consolidando a marca no mercado e perante a opinião pública.

Deixe um Comentário