close

Infosenge

Infosenge

Convite para a posse Senge-CE

Senge-Convite3

O Sindicato dos Engenheiros no Estado do Ceará (Senge-CE) realiza, no próximo dia 29 de março, a solenidade de posse da nova presidência da entidade, que tem a frente a engenheira civil Teodora Ximenes e a vice Ângela Fechini. Na ocasião, será comemorado também os 77 anos do Sindicato e sua atuação no Estado.

Leia mais
Infosenge

Dia Mundial da Água ressalta importância do recurso para o Planeta e sua preservação

DIA MUNDIAL AGUA – CAPA DA NOTÍCIA

Não tem cheiro. Não tem cor. Não tem saber. E não tem quem viva sem ela. A água é o mais precioso líquido do universo e a importância deste bem natural é lembrada neste dia 22 de março, data destinada ao Dia Mundial da Água.

A data foi adotada pelas Organizações das Nações Unidas (ONU) em uma resolução aprovada por meio de uma assembleia geral das nações, no dia 22 de fevereiro de 1993. De lá para cá, todos os anos, a data ganha um tema a ser trabalhado. Em 2019 a data será lembrada em torno do tema “A resposta está na natureza”.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

De acordo com a ONU, os países comemoram a data, dedicando ao dia atividades concretas que promovam a conscientização pública através de publicações e difusão de documentários e a organização de conferências, mesas redondas, seminários e exposições relacionadas à conservação e desenvolvimento dos recursos hídricos.

Simbolismo da data no Ceará

No Ceará há várias razões para ressaltar a importância da data. A mais emblemática delas, talvez seja o fato de que o Estado é um dos mais castigados pela seca característica da região Nordeste. Um clima predominante em boa parte do ano na maioria dos municípios e que em 1915 foi responsável por protagonizar uma das mais ferozes secas que já se tem notícia na história. Os relatos daquela época são, até hoje, eternizados pelos escritos de Rachel de Queiroz no livro “O Quinze”.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Por causa das secas, os governos cearenses se habituaram a adotar como prática permanente, políticas públicas de conscientização ao uso da água, e preservação dos recursos hídricos. Os açudes que se espalham pelas cidades, responsável pelos abastecimentos, também ajudam a tornar o Ceará um estado do País marcado pelas políticas de governança em torno da água.

Os trabalhos em torno deste tema se tornaram mais preocupantes desde 2011, quando o Estado passou a sofrer com longos períodos de estiagem. Atualmente, de acordo com dados da Coordenadoria de Gestão e Recursos Hídricos (Cogerh), dos 155 açudes monitorados pelo Departamento Nacional de Obras Contra as Secas (Dnocs),  apenas 20 estão sangrando e 22 estão com volume armazenado acima de 90%. Outros 95 açudes, a maioria, estão com volume abaixo de 30%. 10 ainda estão secos e outros 29 em volume morto.

Preservação

A preocupação com os recursos hídricos é evidenciada neste dia simbólico, porém deveria fazer parte do dia a dia das pessoas, já que a água está presente em quase todos os momentos de nossa vida, seja para higiene pessoal, consumo, preparo de alimentos, transporte, ou ainda gerar energia.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O fato da água ser “comum” à vida de boa parte da população faz com que o valor e a importância deste bem natural sejam deixados de lado ou simplesmente se tornem esquecidos por todos. Infelizmente a realidade é que o cuidado vem tardio, como forma de desespero quando é decretado.

Dados divulgados em um relatório da ONU apontam que 40% da população mundial vivem com escassez de água. Além disso, 1,8 bilhão de pessoas consomem água de fontes que não são protegidas.

Bem essencial

A água é essencial para todos os seres vivos e cobre cerca de 70% da superfície da terra. Os oceanos são responsáveis por 97,2% de toda a água do planeta, entretanto não podemos beber água do mar, por isso é necessário que as fontes de água doce sejam preservadas.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) considera que cada pessoa precisa de pelo menos 40 litros diários de água, para beber, tomar banho, cozinhar e outras necessidades. Atualmente, mais de 1,1 bilhão de pessoas já não contam com este mínimo. No Brasil gasta-se cerca de cinco vezes mais água do que o necessário.

Nosso consumo é de cerca de 200 litros por dia por pessoa. A importância da água para o ser humano é tamanha que, de acordo com registros da medicina, há pessoas que tenham conseguido passar 200 sem comida. Mas nenhuma delas passou mais do que seis dias sem água.

Importância e problemas

A superfície terrestre é formada aproximadamente de 70% de água. Grande parte dela é água salgada dos mares e oceanos (cerca de 97%), restando cerca de 3% de água doce (dos rios), onde apenas 0,01% é considerada apropriada para consumo.

De acordo com a ONU, a cada 20 anos o consumo mundial de água duplica. Isso pode gerar uma enorme crise de abastecimento que atingirá cerca de 2,8 bilhões de pessoas a partir de 2025.

Estatísticas da Organização das Nações Unidas (ONU) mostram que 25% da população do planeta não têm acesso a água potável e cerca de 58% dos municípios no Brasil não possuem água tratada. Vale lembrar que o Brasil é um país que detém cerca de 12% da água doce do planeta.

 

Hoje, 1,9 bilhão de indivíduos vivem em áreas que poderão ter escassez severa de água. Até 2050, o número pode chegar a cerca de 3 bilhões. A quantidade de pessoas em zonas de risco para enchentes também aumentará, passando do atual 1,2 bilhão para 1,6 bilhão, o que representará 20% da população mundial em 2050. Aproximadamente 1,8 bilhão de pessoas já são afetadas pela degradação da terra e pelo fenômeno conhecido como desertificação.

Declaração Universal dos Direitos da Água

Art. 1º – A água faz parte do patrimônio do planeta. Cada continente, cada povo, cada nação, cada região, cada cidade, cada cidadão é plenamente responsável aos olhos de todos.

Art. 2º – A água é a seiva do nosso planeta. Ela é a condição essencial de vida de todo ser vegetal, animal ou humano. Sem ela não poderíamos conceber como são a atmosfera, o clima, a vegetação, a cultura ou a agricultura. O direito à água é um dos direitos fundamentais do ser humano: o direito à vida, tal qual é estipulado do Art. 3 º da Declaração dos Direitos do Homem.

Art. 3º – Os recursos natu

rais de transformação da água em água potável são lentos, frágeis e muito limitados. Assim sendo, a água deve ser manipulada com racionalidade, precaução e parcimônia.

Art. 4º – O equilíbrio e o futuro do n

osso planeta dependem da preservação da água e de seus ciclos. Estes devem permanecer intactos e funcionando normalmente para garantir a continuidade da vida sobre a Terra. Este equilíbrio depende, em particular, da preservação dos mares e oceanos, por onde os ciclos começam.

Art. 5º – A água não é somente uma herança dos nossos predecessores; ela é, sobretudo, um empréstimo aos nossos sucessores. Sua proteção constitui uma necessidade vital, assim como uma obrigação moral do homem para com as gerações presentes e futuras.

Art. 6º – A água não é uma doação gratuita da natureza; ela tem um valor econômico: precisa-se saber que ela é, algumas vezes, rara e dispendiosa e que pode muito bem escassear em qualquer região do mundo.

Art. 7º – A água não deve ser desperdiçada, nem poluída e nem envenenada. De maneira geral, sua utilização deve ser feita com consciência e discernimento para que não se chegue a uma situação de esgotamento ou de deterioração da qualidade das reservas atualmente disponíveis.

Art. 8º – A utilização da água implica no respeito à lei. Sua proteção constitui uma obrigação jurídica para todo homem ou grupo social que a utiliza. Esta questão não deve ser ignorada nem pelo homem nem pelo Estado.

Art. 9º – A gestão da água impõe um equilíbrio entre os imperativos de sua proteção e as necessidades de ordem econômica, sanitária e social.

Art. 10º – O planejamento da gestão da água deve levar em conta a solidariedade e o consenso em razão de sua distribuição desigual sobre a Terra.

Leia mais
destaqueInfosenge

Brasileiro apresenta pela primeira vez no país robô para teleconferência

SENGE 2603 2 (1)

Há mais de 20 anos nos EUA, o carioca Marcio Macedo está à frente de um projeto nascido na iRobot, empresa conhecida pelo aspirador de pó Roomba. Cofundador da AVA Robotics, ele é um dos responsáveis pelo robô de telepresença AVA 500, que será demonstrado pela primeira vez no Brasil durante o seminário “Tecnologia e o Futuro da Humanidade”, que o Instituto New Law promove na quarta-feira, em São Paulo.

O AVA 500 é um robô de telepresença: uma tela de videoconferência num totem equipado com rodas. Ele foi desenvolvido pela iRobot, mas agora é comercializado pela AVA Robotics, que cobra aluguel mensal de US$ 1 mil pela máquina. À distância, o operador consegue ver, ouvir, falar e se movimentar. Há aplicações na telemedicina, na recepção de clientes e, no futuro, a tendência é que ganhe funções autônomas e possa operar como um funcionário numa empresa.

Veterano na indústria da robótica, Macedo prevê que robôs como o AVA 500 substituirão algumas funções humanas, como a de concierge em hotéis e em rondas de segurança. Com inteligência artificial, eles irão interagir, de forma autônoma, com as pessoas, oferecendo uma série de serviços.

– Mas não serão humanoides caminhando por aí, conversando com as pessoas como se fossem seres humanos – afirma Macedo.

Baseada em Cambridge, Massachusetts, a AVA Robotics tem como “vizinhas” empresas que lideram a revolução dos robôs, oferecendo aplicações práticas para essas máquinas. É em Boston e arredores, no entorno da Universidade Harvard e do MIT, que companhias estão desenvolvendo máquinas úteis aos consumidores finais.

A iRobot é o maior exemplo. Dela, surgiram a AVA Robotics, voltada para aplicações comerciais, e a Endeavor Robotics, de aplicações militares. Também está instalada na região a Boston Dynamics, uma das mais avançadas no desenvolvimento dessas máquinas.

– Historicamente, os japoneses lideraram o setor, mas não criaram aplicações comerciais. Isso está mudando.

(Fonte: O Globo)

Leia mais
Infosenge

Estudantes mexicanas criam plástico biodegradável com casca de manga

SENGE 2603

Fernanda Quinonez, Aurora Chaidez e Elizabeth Rivera, são estudantes do Instituto Tecnológico de Monterrey, elas desenvolveram um plástico biodegradável feito de casca de manga, como uma alternativa sustentável aos materiais tradicionais.

A instituição observou, em seu site, que o projeto nasceu da motivação para combater os grandes danos causados pelos resíduos plásticos no meio ambiente no país.

Os jovens estudantes do campus de Sinaloa disseram que se sentiam preocupados com o impacto ambiental do plástico, já que muitas de suas conseqüências não são visíveis no dia a dia.

Depois de analisar vários materiais, elas perceberam que Sinaloa é um dos principais exportadores de manga no México, então optaram por experimentar a fruta e descobriram que ela oferecia vantagens importantes sobre as demais.

Durante as pesquisas, elas perceberam que as propriedades da casca da manga, misturadas com os principais componentes do amido, criam um biopolímero resistente e flexível, que se assemelha à consistência do plástico convencional.

Esse bioplástico leva apenas seis meses para se degradar, ao contrário dos plásticos comerciais, que podem levar mais de 100 anos.

(Fonte: Engenharia é)

Leia mais
Infosenge

Dia mundial da floresta

bbb67b29306b45dfa1a7ccd866c1f6a55f8dc9dd3cba300cd75efbbf8291a61452e427566e730d4221demarco.png

As florestas são essenciais para a manutenção da vida na Terra. Elas são responsáveis pela manutenção da maior parte das fontes de água doce do planeta, abrigam grande parte da biodiversidade, tanto da fauna quanto da flora; elas, em especial as matas ciliares (próximas aos rios), mantêm a integridade dos rios, protegem os solos de erosões, fornecem-nos melhor qualidade de vida, entre muitos outros aspectos. Ajude na preservação da floresta, ajude na preservação da vida.

Leia mais
Infosenge

Biocombustíveis: Devemos usar gramíneas ou milho e cana-de-açúcar?

010125190311-biocombustiveis-ecologicamente-corretos

Biocombustíveis de gramíneas

Considerando que a produção convencional de biocombustíveistem utilizado culturas alimentares como milho, soja, dendê e cana-de-açúcar, essas práticas têm suas armadilhas, como o uso intensivo de fertilizantes nitrogenados e a competição por terras férteis antes usadas para cultivar alimentos.

Por isso, em um experimento de 10 anos, a equipe da Universidade da Califórnia de Santa Bárbara explorou maneiras alternativas de gerar biomassa, com menos efeitos colaterais ambientais e econômicos.

“Nós queríamos ver se as gramíneas do campo poderiam ser uma cultura melhor,” explicou o pesquisador David Tilman.

Em contraste com as culturas anuais, as raízes profundas das gramíneas perenes são mais capazes de armazenar carbono na terra – um benefício ambiental adicional.

Além disso, o crescimento de uma diversidade de gramíneas perenes em terras tão inférteis que foram abandonadas pela agricultura “poderia minimizar a competição com os alimentos e as emissões de gases de efeito estufa associadas ao potencial desmatamento direto ou indireto, melhorar a recuperação de serviços ecossistêmicos e fornecer habitat para a vida selvagem,” disse Tilman.

No entanto, como a terra estava esgotada de nutrientes, plantar e esperar ver no que dava não deu resultado. Assim, os pesquisadores, trabalhando com 36 áreas de cultivo e 32 espécies de pastagens nativas, decidiram encontrar a quantidade ideal de fertilizantes e irrigação que produziriam as maiores – e mais diversas – quantidades de biomassa, ao mesmo tempo resultando em armazenamento subterrâneo de carbono e lixiviação mínima de nitratos.

Adubo e irrigação moderados

O resultado, um tanto surpreendente, depois de uma década de observação e análise, foi que mais cuidados e mais gastos com a lavoura não é necessariamente melhor.

“Nossos resultados indicam que diferentes níveis de intensificação têm diferentes benefícios e custos ambientais,” disse o pesquisador Yi Yang.

Biocombustíveis: Devemos usar gramíneas ou milho e cana-de-açúcar?
Outros esforços incluem aumentar a extração dos açúcares das plantas para produzir mais biocombustíveis a partir da mesma cultura. [Imagem: Ydna Questell-Santiago/EPFL]

De fato, tratamentos moderados – baixa taxa de fertilizantes nitrogenados e pouca água de irrigação – resultaram em melhores rendimentos de biomassa e armazenamento de carbono. Mais especificamente, resultaram no dobro de rendimento e armazenamento em comparação com as áreas não tratadas.

Enquanto isso, as áreas tratadas com mais intensidade resultaram em economia 30% menor de gases de efeito estufa, 10 vezes mais lixiviação de nitratos e 120% maior perda na diversidade de plantas do que suas equivalentes moderadamente tratadas.

Menos efeito estufa e ganhos ecológicos

Embora os resultados indiquem que o rendimento energético do manejo ótimo das gramíneas é um pouco menor por hectare do que para o etanol de milho tradicional, as gramíneas foram cultivadas em terras muito inférteis para o milho.

Além disso, como foi usado muito menos fertilizante nitrogenado do que para o milho, e especialmente por causa da alta taxa de armazenamento de carbono nos solos, a bioenergia das gramíneas cultivadas otimamente proporcionou uma economia muito maior no tocante aos gases de efeito estufa, devendo juntar-se a isso os benefícios da restauração ecológica.

“Nosso estudo sugere que a otimização de múltiplos benefícios ambientais requer práticas sustentáveis de intensificação apropriadas para os solos, clima e espécies de plantas de uma região,” disse Yang.

Fonte: Inovação Tecnológica

Leia mais
destaqueInfosenge

Cientistas de Stanford transformam mar em combustível

SENGE 2103 02

Pesquisadores em Stanford criaram uma maneira de gerar combustível usando energia solar, eletrodos e água salgada não purificada, a fonte de energia mais abundante na Terra.

Os resultados, publicados na revista PNASA, demonstram uma nova maneira de separar hidrogênio e oxigênio do gás da água do mar através da eletricidade. Os métodos de separação de água existentes dependem da água altamente purificada, que é um recurso precioso e caro para produzir.

O hidrogênio é uma opção atraente para o combustível porque não emite dióxido de carbono, disse Hongjie Dai na Universidade de Stanford. A queima de hidrogênio produz apenas água e deve facilitar o enfrentamento dos problemas da mudança climática.

Dai disse que seu laboratório mostrou uma prova de conceito com uma demonstração, mas os pesquisadores deixarão os fabricantes produzirem escala e design de massa.

Como conceito, dividir a água em hidrogênio e oxigênio com eletricidade, chamada eletrólise, é uma idéia simples e antiga: uma fonte de alimentação é conectada a dois eletrodos colocados na água. Quando a energia é ligada, as bolhas de gás hidrogênio deixam o lado negativo, chamado de cátodo, e o oxigênio respirável surge no final positivo, o ânodo.

Mas o cloreto carregado negativamente no sal da água do mar pode corroer o final positivo, limitando a vida útil do sistema. Dai e sua equipe queriam encontrar uma maneira de evitar que os componentes da água do mar quebrassem os anodos submersos.

Os pesquisadores descobriram que, se eles cobrem o ânodo com camadas ricas em cargas negativas, as camadas repelem o cloreto e reduzem a decomposição do metal subjacente.

(Fonte: Engenharia É)

Leia mais
destaqueEditaisInfosenge

Prefeitura de Juazeiro abre concurso público com mais de 7 mil vagas

SENGE 2103 01

A Prefeitura de Juazeiro do Norte abriu, nesta quarta-feira (20), concurso público com 7.304 vagas para preenchimento de quadros do município. Os salários variam entre R$ 998 e R$ 7 mil. Há vagas para os níveis fundamental, médio e superior. Existem vagas, inclusive, para a área de Engenharia.

As inscrições podem ser feitas a partir do das 7h do dia 26 deste mês, no site da organizadora do certame. Elas seguirão abertas até às 23h do dia 25 de abril. As provas estão previstas para ocorrer no dia 26 de maio.

Das 7.304 vagas, 1.815 são para preenchimento imediato e 5.489 para cadastro de reserva.

Confira as vagas:

Nível Fundamental

-Auxiliar de Serviços Fúnebres

– Merendeira

– Motorista

– Cozinheiro

– Motorista de Veículos Escolares

– Operador de Máquinas Pesadas

Nível Médio

– Agente Administrativo

– Agente Municipal de Trânsito

– Auxiliar de apoio educacional

– Brailista

– Cuidadores

– Educador Social

– Fiscal de Obras

– Fiscal de Serviços Públicos

– Fotógrafo

– Guarda Civil Metropolitana

– Guia de Turismo

– Inspetor Sanitário

– Instrutor de Libras

– Interprete de Libras

–  Monitor de Atividades Esportivas

– Monitor de Atividades Infantis

– Monitor de Oficinas

– Motorista – CNH D

– Orientador Social

– Secretário Escolar

– Técnico Audiovisual

– Técnico de Farmácia

– Técnico de Luz e Som

– Técnico em Agricultura

– Técnico em Edificações

– Técnico em Enfermagem

– Técnico em Gesso

– Técnico em Radiologia

– Técnico em Saúde Bucal

– Técnico em Segurança do Trabalho

– Topógrafo

Nível Superior

– Analista Ambiental

– Analista de Gestão Pública

– Antropólogo

– Arquiteto e Urbanista

– Arquivista

– Assistente Social

– Auditor Fiscal

– Bibliotecário

– Contador

– Economista

– Educador de Trânsito

– Educador Físico

– Enfermeiro

– Infectologista

– Engenheiro Agrônomo

– Engenheiro Ambiental e Sanitarista

– Engenheiro Civil

– Engenheiro Elétrico

– Engenheiro Florestal

– Farmacêutico

– Fisioterapeuta

– Fonoaudiólogo

– Geografo

– Geólogo

– Historiador

– Jornalista

– Médico (diversas áreas)

– Médico Veterinário

– Museólogo

– Nutricionista

– Odontólogo

– Pedagogo (diversas áreas)

– Procurador

– Professor

– Psicólogo

– Sociólogo

– Tecnólogo de Alimentos

– Tecnólogo de Edificações

– Tecnólogo de Irrigação

– Tecnólogo em Recursos Humanos

– Terapeuta Ocupacional

– Turismólogo

(Fonte: Diário do Nordeste)

Leia mais
Infosenge

Gerador de borracha aproveita ondas para produzir eletricidade

010115190312-gerador-energia-ondas-2

Energia das ondas

Engenheiros europeus demonstraram com sucesso o protótipo de um novo tipo de equipamento capaz de converter a energia das ondas do mar em eletricidade.

O gerador custa menos que as versões convencionais, tem menos partes móveis – ele tem só uma – e é feito de materiais mais duráveis. Como vantagem adicional, o gerador foi concebido para ser incorporado nos sistemas de energia oceânica já existentes.

Os experimentos de pequena escala em um simulador oceânico mostraram que um dispositivo de dimensão industrial poderia gerar o equivalente a 500 kW. Giacomo Moretti e seus colegas afirmam que seu projeto poderia ser usado em “frotas” de estruturas de baixo custo e baixa manutenção no mar, aproveitando as ondas durante décadas antes de exigir substituição.

Gerador de borracha aproveita ondas para produzir eletricidade
Fotos do protótipo em escala reduzida testada em um tanque de 25 metros. [Imagem: Giacomo Moretti et al. (2019)]

Gerador de borracha

O gerador, conhecido como Gerador de Elastômero Dielétrico, usa membranas flexíveis de uma borracha especial que produz eletricidade quando é esticada – um elastômero dielétrico é um polímero eletroativo, usado em músculos artificiaisasas robóticas e até em sapatos geradores de energia.

O gerador foi projetado para ser encaixado em cima de um tubo vertical que, quando colocado no mar, enche parcialmente com água. Essa coluna de água então sobe e desce com o movimento das ondas.

Conforme as ondas passam pelo tubo, a água no seu interior sobe e empurra o ar preso para cima, inflando o gerador na parte superior, gerando uma tensão no elastômero. Conforme a onda se vai, a água desce e a membrana murcha, produzindo eletricidade. Em um dispositivo comercial, essa eletricidade seria levada para a costa por meio de cabos submarinos.

Esse é um sistema mais simples do que as turbinas de ar usadas atualmente, que são mais complexas e têm muitas peças móveis que requerem manutenção e substituição.

O projeto é resultado de uma colaboração entre pesquisadores das universidades de Edimburgo (Escócia), Trento, Bolonha e Escola Superior Sant’Anna Pisa (Itália).

Fonte: Inovação Tecnológica 

Leia mais