close

destaque

destaqueNotícias

Fortaleza recebe 30ª edição do Circuito Nacional do Setor Elétrico

CINASE

Congresso de dois dias abordará temas que envolvem toda a cadeia do setor elétrico, desde a geração até o consumo.

A próxima edição do Circuito Nacional do Setor Elétrico (CINASE), tradicional congresso itinerante do setor elétrico brasileiro, acontecerá nos dias 09 e 10 de maio na cidade de Fortaleza (CE). O objetivo do evento é levar conhecimento técnico e atualizado para os profissionais da região.

O CINASE é constituído por dois dias de evento. As palestras são ministradas por especialistas com experiência comprovada em suas áreas de atuação e seguem um cronograma organizado que parte da geração até chegar às instalações propriamente ditas. Em Fortaleza, o congresso terá início com uma palestra de abertura sobre geração distribuída e o futuro do setor elétrico a ser realizada pela concessionária Enel Distribuição.

Outros temas abordados incluem: especificação de painéis de média tensão e a revisão da ABNT NBR IEC 62271-200; operação, manutenção e ensaios em subestações; qualidade de energia; energia solar fotovoltaica; andamento do processo de revisão da norma de instalações de baixa tensão, a ABNT NBR 5410; impactos da nova NBR IEC 61439-1; segurança do trabalho; e iluminação.

O CINASE é constituído por dois dias de evento. As palestras são ministradas por especialistas com experiência comprovada em suas áreas de atuação e seguem um cronograma organizado que parte da geração até chegar às instalações propriamente ditas. Em Fortaleza, o congresso terá início com uma palestra de abertura sobre geração distribuída e o futuro do setor elétrico a ser realizada pela concessionária Enel Distribuição.

Outros temas abordados incluem: especificação de painéis de média tensão e a revisão da ABNT NBR IEC 62271-200; operação, manutenção e ensaios em subestações; qualidade de energia; energia solar fotovoltaica; andamento do processo de revisão da norma de instalações de baixa tensão, a ABNT NBR 5410; impactos da nova NBR IEC 61439-1; segurança do trabalho; e iluminação.

 

Serviço:

Circuito Nacional do Setor Elétrico (CINASE)

9 e 10 de maio

Centro de Eventos do Ceará – Av. Washington Soares, 1141, Fortaleza

Mais informações: www.cinase.com.br

Leia mais
destaqueNotícias

Micropartículas robotizadas monitoram ambiente e seu estômago

010180180424-proto-robos

Proto-robô

Pequenos robôs flutuantes podem ser úteis de várias maneiras; por exemplo, para sondar o intestino humano em busca de doenças ou para procurar poluentes no ambiente.

Um passo importante para viabilizar esses dispositivos foi dado com um novo casamento de materiais, combinando micropartículas biocompatíveis com a eletrônica ultrafina 2D – que usa semicondutores monoatômicos como a molibdenita ou o grafeno-, o que resultou na criação de máquinas microscópicas.

“Você pode construir circuitos eletrônicos com um único átomo de espessura, o que é incrivelmente fino. Um uso criativo que ninguém imaginou até agora é pegar esses componentes eletrônicos e enxertá-los em uma partícula coloidal. A partícula, que pode flutuar no ar como uma partícula de poeira, tem funções de computação simples. Você pode trazer esses novos componentes eletrônicos para ambientes que, de outra forma, não conseguiria acessar,” explicou o professor Michael Strano, do MIT.

Como primeiro passo, a equipe desenvolveu um conjunto de componentes eletrônicos compatível com um revestimento de uma micropartícula, formando um circuito autônomo fechado – é o que eles chamam de um proto-robô, um conceito similar ao da poeira inteligente.

Microrrobô com sensor e refletor

As partículas com tamanho de um micrômetro foram feitas com um material tido como biocompatível, conhecido como SU-8 – embora ele contenha bisfenol A. Usando litografia tradicional, sua superfície recebeu um circuito que consiste de uma fonte de energia, um sensor e um dispositivo de memória. A fonte de energia é uma célula solar de heterojunção p-n de MoS2 (dissulfeto de molibdênio) e disseleneto de tungstênio (WSe2), que pode converter luz em corrente elétrica. Tanto o MoS2 quanto o WSe2 são semicondutores 2-D, comumente incluídos em uma família conhecida como molibdenita.

O detector é um quimiorresistor, uma única camada de MoS2 projetada para alterar sua resistência elétrica em resposta a um agente ambiental. A saída elétrica é armazenada na memória, que consiste em uma camada separada de MoS2 intercalada entre eletrodos de ouro e prata.

“Nós colocamos pequenos retrorrefletores nas partículas – como os que você tem na sua bicicleta – para que reflitam a luz e nos permitam encontrar rapidamente as partículas,” descreve o pesquisador Volodymyr Koman. “Para leitura, as partículas têm conexões metálicas, como um soquete: depois de inserir dois conectores, você pode ler o estado do dispositivo.” A memória pode então ser limpa para que as máquinas em miniatura possam ser reutilizadas.

Micropartículas robotizadas

Os pesquisadores vislumbram vários usos para esses robôs em miniatura, como monitorar grandes áreas em busca de bactérias, esporos, fumaça, poeira ou agentes tóxicos, o que atualmente requer equipamentos de grande porte e caros.

“Como alternativa, introduzimos o conceito de um dispositivo eletrônico ‘aerossolizável’,” disse Koman, referindo-se à dispersão das micromáquinas na forma de um aerossol.

Ele testou esse conceito em um gasoduto simulado. As máquinas flutuantes navegaram pela câmara de teste e detectaram a presença de partículas de carbono e compostos orgânicos voláteis ao longo do duto, armazenando as informações na memória, que foram lidas quando os microrrobôs foram recolhidos no outro lado do cano.

Agora eles pretendem desenvolver partículas para aplicações adicionais, inclusive como monitores do sistema digestivo humano.

Fonte: Inovação Tecnológica

 

Leia mais
destaqueNotícias

Brasileiro cria espectrômetro que cabe em um chip

010110180423-espectrometro-chip

Detecção química portátil

Uma equipe do Brasil e dos EUA miniaturizou um dos instrumentos de pesquisa mais utilizados para identificar e analisar substâncias químicas.

Usando fotônica no silício – um casamento de tecnologias que levou décadas para ser sacramentado – eles construíram um espectrômetro dentro de um chip.

Até agora, os espectrômetros de infravermelho por transformada de Fourier (FTIR, na sigla em inglês) eram volumosos, impossibilitando seu uso em campo para detecção de compostos químicos e biológicos, incluindo o monitoramento de gases de efeito estufa de forma remota.

“A tecnologia de fotônica de silício oferece uma plataforma para a fabricação de espectrômetros miniaturizados de alto desempenho e baixo custo,” disse Mário César de Souza, da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas), que construiu o chip fotônico com a colaboração de pesquisadores da Universidade da Califórnia de San Diego.

Espectrômetros FTIR

Os espectrômetros FTIR identificam compostos químicos irradiando um feixe de luz infravermelha sobre a amostra e medindo a quantidade de luz e os comprimentos de onda (cores) absorvidos. O padrão de absorção (espectro) fornece informações sobre a composição química da amostra.

Nos últimos anos começaram a surgir diversos projetos voltados ao desenvolvimento desse instrumento baseado na tecnologia de fotônica integrada, que utiliza especialmente luz no espectro infravermelho.

As tentativas não tinham avançado até então em razão de vários desafios técnicos, entre eles o fato de que as guias de ondas de silício são altamente dispersivas, ou seja, cada comprimento de onda viaja com uma velocidade diferente nesse material e, dessa forma, apresentam índices de refração (velocidade) diferentes. E o efeito termo-óptico – passar uma corrente sobre a guia de onda para esquentá-la – não se mostrou uma solução adequada porque as altas temperaturas tornam esta técnica não-linear, ou seja, uma mudança na temperatura altera o índice de refração de maneira não-proporcional.

Mário e seus colegas conseguiram superar essa dificuldade criando um método de calibração a laser que permite quantificar e corrigir as distorções causadas pela dispersão e não-linearidade das guias de onda de silício. Como prova de conceito, eles desenvolveram um chip de espectrômetro FTIR com 1 milímetro quadrado baseado em procedimentos-padrão de fabricação de fotônica de silício.

“Desenvolvemos um dispositivo que nem de longe é otimizado e, mesmo assim, já atinge resoluções comparáveis às dos espectrômetros portáteis comerciais existentes hoje, baseados em óptica de espaço livre,” comparou Mário.

O objetivo agora é implementar um aparelho que seja totalmente funcional e integrado, com fotodetectores, fontes de luz e fibras ópticas. “A ideia é que tanto a fonte de luz como o detector do espectrômetro sejam integrados em uma mesma plataforma,” disse Mário.

Fonte: Inovação Tecnológica

Leia mais
destaqueNotícias

Raiz de cacto inspira criação de material superabsorvente

010160180423-material-inspirado-cacto-2

Um novo material imita a capacidade das raízes dos cactos para absorver rapidamente e reter grandes quantidades de água, com uma quantidade mínima de evaporação.

Esse material bioinspirado será útil em uma ampla gama de aplicações, dos cosméticos e dispositivos médicos até produtos do dia a dia para as donas de casa e na agricultura e jardinagem.

Os cactos não podem perder tempo por ocasião das raras chuvas nos desertos. A chave para essa prontidão está em um sistema radicular superficial, mas muito extenso, que rapidamente absorve as águas, que raramente penetram mais do que alguns centímetros no solo. Durante as secas, as raízes se desidratam e encolhem, criando espaços de ar que impedem que a água escape de volta para o solo.

Quem replicou esse comportamento em um material artificial foi Hyejeong Kim e seus colegas da Universidade de Ciência e Tecnologia de Pohang, na Coreia do Sul.

Eles fabricaram um material composto de fibras de celulose, criogel de agarose e micropartículas, que foi moldado em formato cilíndrico e liofilizado, formando uma estrutura que imita a composição em camadas da epiderme da raiz do cacto.

Os testes de laboratório mostraram que o material é capaz de absorver água 930 vezes mais rápido do que a perda por evaporação.

Os pesquisadores afirmam que a mistura de fibras de celulose, micropartículas e criogel é ajustável para necessidades específicas. Por exemplo, a adição de micropartículas repelentes de água pode produzir materiais úteis na separação de óleo. No geral, eles anteveem aplicações na agricultura, cosméticos e medicina.

Fonte: Inovação Tecnológica

Leia mais
destaqueNotícias

Cérebro Quântico: Somos computadores quânticos biológicos?

010150180417-cerebro-quantico

Nos últimos séculos, os cientistas têm-nos comparado com máquinas e as máquinas conosco – temos uma “maquinaria celular” e computadores são “cérebros eletrônicos”, lembra-se?

Com o advento das tecnologias quânticas, físicos e neurocientistas estão pensando em dar um upgrade nessas comparações.

“Será que nós poderíamos ser computadores quânticos, em vez de meros robôs inteligentes que estão projetando e construindo computadores quânticos?” propõe o professor Matthew Fisher, da Universidade da Califórnia em Santa Barbara, nos EUA.

E ele vai tentar responder a essa pergunta; não sozinho, mas junto a uma equipe interdisciplinar e interinstitucional que está se reunindo em torno de um projeto multimilionário batizado de Projeto Cérebro Quântico, ou QuBrain (Quantum Brain Project).

Computação quântica biológica

Algumas funções que o cérebro realiza continuam a iludir a neurociência – o substrato que “guarda” as memórias de longo prazo, por exemplo, ou mesmo como o cérebro registra, retém e recupera todas as memórias.

A mecânica quântica, que lida com o comportamento da natureza em níveis atômicos e subatômicos, pode ser capaz de dar algumas pistas. E isso, por sua vez, poderia ter grandes implicações em muitos níveis, da computação quântica e das ciências dos materiais à biologia, saúde mental e até mesmo na conceituação do que é ser humano.

A ideia de uma computação quântica ocorrendo em nossos cérebros não é nova. O que Fisher planeja fazer é identificar um conjunto preciso e único de componentes biológicos e mecanismos chave que possam fornecer a base para o processamento quântico no cérebro.

Projeto Cérebro Quântico: Somos computadores quânticos biológicos?
De fato, um estado quântico tipicamente marcado pela fragilidade sobreviveu 39 minutos, uma verdadeira “eternidade” pelos padrões da física de partículas, usando átomos de fósforo como qubits. [Imagem: Stef Simmons/CC BY]
Qubits bioquímicos

A marca registrada dos computadores quânticos reside em sistemas infinitesimais de átomos e íons que podem funcionar como qubits ao apresentar o estranho fenômeno do entrelaçamento, ou emaranhamento quântico. Vários qubits podem formar redes que codificam, armazenam e transmitem informações.

Ocorre que, nos computadores quânticos que estamos tentando construir, esses efeitos são gerados e mantidos em ambientes altamente controlados, isolados e a baixas temperaturas, porque qualquer interferência do ambiente faz com que os dados e a computação inteira se percam – e, na escala dos átomos, há sempre outros átomos, elétrons e fótons interferindo uns com os outros.

Assim, o cérebro, quente e úmido, tipicamente não é visto como um ambiente propício para exibir efeitos quânticos, já que esses efeitos devem ser facilmente “lavados” pelo movimento térmico de átomos e moléculas.

No entanto, Fisher afirma que os spins nucleares (no núcleo dos átomos, e não o spin dos elétrons) fornecem uma exceção à regra.

“Spins nucleares extremamente bem isolados podem armazenar – e talvez processar – informações quânticas em escalas de tempo humanas de horas ou mais,” disse ele, acrescentando que os átomos de fósforo – um dos elementos mais abundantes no corpo humano – têm o spin nuclear necessário que pode servir como um qubit bioquímico.

Assim, um dos primeiros esforços experimentais de Fisher será monitorar as propriedades quânticas dos átomos de fósforo, particularmente o entrelaçamento entre dois spins nucleares de fósforo quando os dois átomos estão ligados em uma molécula que passa por processos bioquímicos.

Projeto Cérebro Quântico: Somos computadores quânticos biológicos?
Recentemente, um pesquisador brasileiro criou um design radical de computador quânticotambém baseado em qubits de fósforo. [Imagem: Tony Melov/UNSW]
Enquanto isso, Matt Helgeson e Alexej Jerschow, da Universidade de Nova York, investigarão a dinâmica e o spin nuclear das moléculas de Posner – nanoaglomerados esféricos de fosfato de cálcio – e se elas têm a capacidade de proteger os spins nucleares dos qubits atômicos de fósforo, o que poderia viabilizar o armazenamento de informações quânticas. Eles também explorarão o potencial do processamento não-local de informações quânticas que poderia ser ativado pelo emparelhamento e dissociação das moléculas de Posner.

Neurônios entrelaçados

Em outro conjunto de experimentos, a equipe do professor Tobias Fromme, da Universidade Técnica de Munique, na Alemanha, estudará a possível contribuição da mitocôndria para o entrelaçamento e seu acoplamento quântico com os neurônios. O objetivo é determinar se essas organelas celulares – responsáveis por funções como o metabolismo e a sinalização celular – podem transportar moléculas de Posner dentro e entre os neurônios através de suas redes tubulares.

A expectativa é que fundir e fissionar as mitocôndrias possa permitir o estabelecimento do entrelaçamento quântico não-local intra e intercelular. A subsequente dissociação das moléculas de Posner poderia desencadear a liberação de cálcio, correlacionado através da rede mitocondrial, ativando a liberação de neurotransmissores e o subsequente disparo sináptico através do que seria essencialmente uma rede quântica de neurônios – um fenômeno que Fromme pretende emular em laboratório.

“Se a questão sobre se processos quânticos ocorrem no cérebro for respondida de forma afirmativa, isso pode revolucionar nossa compreensão e o tratamento da função cerebral e da cognição humana,” disse Matt Helgeson.

Agora será uma questão de acompanhar os progressos do Projeto Cérebro Quântico e ver se todas essas hipóteses sustentam-se na prática – ou se vamos precisar usar nossos cérebros misteriosos para bolar outras teorias.

Fonte: Inovação Tecnológica

Leia mais
destaqueNotícias

Indústria 4.0 ainda está fora da política industrial brasileira

010175180416-industria-4-0

O Brasil precisa inserir, com urgência, a indústria 4.0 no centro de suas estratégias de política industrial a fim de preservar e aumentar a competitividade do país. A política industrial brasileira voltada a desenvolver a indústria 4.0 ou manufatura avançada no país, contudo, deverá abranger um conjunto amplo de ações que terão de ir muito além da difusão e adoção de tecnologias.

A avaliação foi feita no 3º Fórum de Manufatura, realizado em São Paulo. “A agenda da indústria 4.0 no Brasil será difícil e complexa em razão da própria heterogeneidade da indústria brasileira, que faz com que não exista uma solução única para o setor,” disse Carlos Américo Pacheco, da FAPESP (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo), durante o evento.

“A política industrial voltada a estimular o desenvolvimento da indústria 4.0 no Brasil precisará contemplar um conjunto de temas como, além da difusão e adoção de tecnologias, a criação e o desenvolvimento de novas soluções tecnológicas, questões regulatórias, capacitação de mão de obra e criação de startups, entre outros”, disse Pacheco.

Aceleração da tecnologia

Na avaliação de João Emílio Gonçalves, da Confederação Nacional da Indústria (CNI), a disseminação das tecnologias da indústria 4.0 terá uma velocidade imensamente maior do que em momentos anteriores de transformação da forma de produzir.

“A chegada e a consolidação da indústria 4.0 será muito mais rápida do que em casos anteriores. Por essa razão, as principais nações industrializadas inseriram o desenvolvimento da indústria 4.0 no centro de suas estratégias de política industrial para preservar e aumentar sua competitividade”, disse Gonçalves.

O Brasil precisa com urgência se adequar a essa realidade, uma vez que, na opinião dele, a capacidade de a indústria nacional competir internacionalmente dependerá da habilidade do país de promover essa transformação.

“A indústria 4.0 está aí, é a nossa chance, não podemos perder esse bonde. Desperdiçar a oportunidade criada pela indústria 4.0 será imperdoável”, disse Gonçalves, acrescentando o Brasil terá um duplo desafio para se inserir na realidade da indústria 4.0: buscar a incorporação e o desenvolvimento das soluções tecnológicas e ter agilidade para evitar que a distância em termos de competitividade para os principais competidores aumente.20

Mais institutos

Segundo Pacheco, há um conjunto de indústrias no Brasil que precisa ter acesso às principais tecnologias habilitadoras da indústria 4.0, como Internet das Coisas (IoT), megadados, robótica avançada e inteligência artificial.

Para o especialista, a política industrial brasileira voltada ao desenvolvimento da indústria 4.0 deverá dar suporte para que empresas provedoras dessas tecnologias já existentes, como fabricantes de máquinas e equipamentos, além de softwares e serviços, sejam capazes de melhorar a difusão e a adoção dessas soluções por esse conjunto de indústrias, a fim de melhorar o funcionamento e a competitividade delas.

Para promover a difusão dessas tecnologias de forma ampla será preciso criar um conjunto de instrumentos, a exemplo dos que foram elaborados para implementar, no início da década de 1990, o programa de qualidade no Brasil, comparou Pacheco.

“Para implementar o programa de qualidade foram criadas fundações específicas, como a Fundação Nacional da Qualidade, e um conjunto de instrumentos para difundir boas práticas de qualidade. Precisamos agora, também, para desenvolver a indústria 4.0 no Brasil, de um conjunto de instrumentos que possibilitem difundir as tecnologias necessárias e dar condições, em termos de financiamento, facilidade de acesso e formação de recursos humanos específicos, para que as indústrias possam adotá-las”, disse.

Simultaneamente a esse processo de difusão de tecnologias será preciso estimular empresas estabelecidas no país a desenvolver novas soluções tecnológicas voltadas à indústria 4.0. Para isso, as agências de fomento à pesquisa no país, como a FAPESP, podem desempenhar um papel estratégico. “A FAPESP tem três programas de apoio especificamente voltados à pesquisa em cooperação com empresas e definiu a manufatura avançada como um dos temas estratégicos para atuação da instituição em médio e longo prazo”, disse Pacheco.

Fonte: Inovação Tecnológica

Leia mais
destaqueNotícias

Papel de parede detecta, resiste e dá alarme contra incêndio

010160180413-papel-parede-alarme-incendio-3

Pesquisadores do Instituto de Cerâmica de Xangai, na China, desenvolveram um papel de parede que, além de decorativo, funciona como um alarme de incêndio.

Em vez dos papéis e materiais poliméricos tradicionalmente usados nos papéis de parede – todos altamente inflamáveis -, este é feito de materiais não inflamáveis e ambientalmente corretos, incluindo compostos encontrados no corpo humano, como nos ossos e dentes.

Quando exposto ao calor, o papel de parede muda de um estado eletricamente isolante para um estado eletricamente condutor, fazendo disparar automaticamente um alarme que gera sons e luzes de advertência, com o adicional de poder dosar os níveis de alarme para os níveis de calor detectados.

“Em comparação com os papéis de parede comerciais inflamáveis, o papel de parede resistente ao fogo é superior devido à sua excelente não-flamabilidade, resistência a altas temperaturas e função de alarme de incêndio automático. O papel de parede resistente ao fogo tem robustez mecânica e alta flexibilidade, pode ser processado em vários formatos, tingido com cores diferentes e impresso com uma impressora comercial. Portanto, o papel de parede resistente ao fogo tem aplicações promissoras em decoração de alta segurança para salvar vidas humanas e reduzir a perda de propriedades em um desastre de fogo,” disse o professor Ying-Jie Zhu.

Hidroxiapatita

O novo revestimento de parede é baseado na hidroxiapatita, o principal componente inorgânico dos ossos e dentes.

Embora a hidroxiapatita seja tipicamente quebradiça e inflexível, a equipe havia descoberto anteriormente que a formação de nanofios ultralongos confere ao material uma alta flexibilidade, adequada para fazer papel de parede – foi quando eles lançaram uma primeira versão, quando o papel era à prova de água e de fogo, mas ainda não tinha a função de alarme.

Para torná-lo um “material inteligente”, capaz de soar automaticamente um alarme em resposta a um incêndio, os pesquisadores incorporaram um sensor termossensível à base de tinta no papel de parede.

Fonte: Inovação Tecnológica

Leia mais
destaqueNotícias

Curso Energia Solar Fotovoltaica

Curso Energia Solar Fotovoltaica

Conteúdo abordado

• Conceitos fundamentais da energia solar fotovoltaica.
• Noções de geometria solar, irradiância e insolação.
• Análise de mapas e bancos de dados solarimétricos.
• Funcionamento das células e módulos fotovoltaicos e suas características
técnicas
• Cálculo da energia produzida pelos módulos e sistemas fotovoltaicos.
• Componentes dos sistemas fotovoltaicos autônomos (off-grid): painéis
solares, controladores de carga, baterias, inversores.
• Componentes dos sistemas fotovoltaicos conectados à rede (grid-tie):
painéis solares, inversores e dispositivos de proteção.
• Dimensionamento de sistemas isolados (com baterias).
• Dimensionamento de sistemas conectados à rede elétrica (grid-tie).
• Resolução 482 da ANEEL, solicitação de acesso à rede e requisitos
técnicos das concessionárias.
• Cálculo da energia produzida e análise da viabilidade econômica de um
sistema solar fotovoltaico conectado à rede elétrica.
• Experiências práticas com painéis solares, inversores e controladores de
carga.

Carga horária
• Teoria: 12 horas
• Prática: 4 horas
• Carga total: 16 horas de curso (em dois dias de aulas, normalmente
sexta-feira e sábado)

Público alvo

O curso destina-se a qualquer pessoa que tenha interesse em conhecer a
energia solar fotovoltaica. Pessoas com conhecimentos básicos de
eletricidade têm um melhor aproveitamento do curso, entretanto
a metodologia empregada já foi testada e possibilita um bom nível de
satisfação mesmo para pessoas que não têm conhecimentos técnicos.
• Engenheiros, arquitetos e técnicos
• Profissionais da indústria e comércio
• Representantes e revendedores
• Projetistas e instaladores
• Empreendedores
• Estudantes e professores

Local

O curso é realizado no SENGE/CE – Sindicato dos Engenheiros do Ceara, Rua
Alegre, 1 – Praia de Iracema, Fortaleza, Ceará.

Material fornecido aos alunos
• Apostila do curso – incluída na taxa de inscrição e fornecida aos alunos
durante o curso.
• Planilhas eletrônicas para o dimensionamento de sistemas fotovoltaicos
isolados e conectados à rede elétrica
• Coffee-breaks nos dois dias de curso, nos períodos da manhã e da tarde

Professor

Jose Sydney Ipiranga Junior, Engenheiro eletricista pela Universidade de
Fortaleza, pós-graduado em Gestão de Energia pela ISITEC/AHK,
Conselheiro Câmara
de Engenharia Eletrica CREA/CE, Conselheiro da ABESCO – Associação
Brasileira de Empresas de Serviços de Conservação de Energia, membro do GBC
– Green Building Council, membro da ASHRAE – The American Society of Heating
, Refrigerating and Air-Conditioning Engineers. Membro da AEE – Association
of Energy Engineers <https://www.aeecenter.org/>, Participou da elaboração
de diversos projetos fotovoltaicos, Especialista em energia solar
fotovoltaica. Ministrou cursos básicos e avançados de energia solar
fotovoltaica em varias instituições.

Certificado

Todo participante receberá um certificado oficial, contendo o nome do
aluno, o título do curso, a carga horária e a data de realização.

Valor do curso (investimento)

Investimento

R$ 660,00 (valor normal, parcelado em até 3x)

R$ 600,00 (pagamento à vista)

R$ 540,00 (associados ao SENGE/CE)

R$ 330,00 (estudantes)

A inscrição inclui:
• Dois dias de aulas com professores especialistas em energia solar
fotovoltaica
• Atividades práticas com apoio de professores e monitores
• Coffee-breaks (manhã e tarde)
• Material apostilado
• Certificado .

Datas e inscrição

Inscrições: (85) 98878-9274 ou institutocdg@gmail.com

Data do Curso: dias 04 e 05/05/2018, das 09 as 17 hs – (16 hs)

Leia mais
destaqueNotícias

Ceará 2050: Conheça mais sobre a Plataforma Estratégica de Desenvolvimento de Longo Prazo do Estado do Ceará

ceará 2050

 

Uma iniciativa do Governo do Estado, coordenada pela Universidade Federal do Ceará, através da Fundação ASTEF, a Plataforma Ceará 2050 renova esperanças em um futuro melhor, construído coletivamente com base no diálogo, na liberdade de opinião e na responsabilidade pública. A ideia parte da constatação de que, apesar dos esforços de sucessivos governos cearenses comprometidos com a boa governança, o Estado do Ceará precisa avançar de forma mais acelerada para atender as crescentes demandas sociais.

A Plataforma Estratégica de Desenvolvimento de Longo Prazo – Ceará 2050 tem o objetivo de traçar estratégias para acelerar o crescimento econômico estadual nas próximas três décadas e atender, de forma mais eficiente, às expectativas da sociedade pela oferta de serviços essenciais – saúde, educação, abastecimento de água, segurança pública e geração de emprego e renda. Pensar o futuro do Ceará em curto, médio e longo prazo. Ao final da sua elaboração, em dezembro deste ano, um portfólio de projetos contemplará ações que se iniciam em 2019 e seguem ao horizonte de 2050.

Governos, entidades privadas, academia, movimentos sociais e sociedade civil estão convidados para um pacto pelo planejamento do estado que queremos ter até 2050. Nossa missão é discutir os próximos 30 anos numa perspectiva de promover o desenvolvimento econômico, social, territorial, institucional e ambiental.

 

Coordenadores

 

A coordenação do Ceará 2050 é formada por cinco membros, tendo na coordenação geral o engenheiro José de Paula Barros Neto, presidente da Astef e professor doutor da UFC. O engenheiro químico Expedito Parente Jr, o engenheiro e professor Antonio Miranda, ex-presidente da Cagece, o economista Lima Matos, ex-secretário da fazenda do Ceará e o arquiteto e urbanista Airton Montenegro ocupam as demais coordenações, num conselho gestor que dialoga diretamente com uma equipe de igual tamanho formada na Secretaria de Planejamento do Estado.

 

Participação e informação

 

Mecanismos de participação e engajamento estão sendo discutidos no âmbito do projeto. Em breve, site, páginas nas redes sociais e outros canais de comunicação apresentarão à sociedade as possibilidades de informação, interação e participação na plataforma. O valor desta proposta está justamente neste aspecto, ter a sociedade como protagonista de seu futuro, desde o planejamento até a cobrança da realização do plano ao longo dos seus 30 anos de implementação.

 

Fases da elaboração da Plataforma Ceará 2050

 

Diagnóstico

Momento de Identificação das problemáticas e dos pontos fortes do presente e dos últimos 30 anos, e as influências que trouxeram ao desenvolvimento do Estado.

Análise da ambiência externa e construção de cenários

Olhar o entorno através de estudos de algumas soluções testadas em outros estados e países é a premissa inicial desta fase. Ao mesmo tempo, analisa e explora o conhecimento sobre tendências da economia, governos, sociedade e meio ambiente no horizonte de 2050. Assim, prospecta cenários futuros, a partir de temas estratégicos para o estado.

Elaboração da visão de futuro e objetivos estratégicos

Esta etapa olha a realidade apresentada pelo diagnóstico, soma às possibilidades encontradas nos cenários projetados e, com a visão e a participação da população, desenha o futuro desejado para o Ceará e o cearense.

Concepção de projetos estratégicos

Como vamos chegar lá?

A resposta está em ações estratégicas que indicarão os caminhos, inclusive orçamentários, para que o que foi elaborado anteriormente possa ser efetivado de 2018 a 2050.

Consolidação e lançamento da Plataforma

Será traçado ainda, um modelo de gestão e governança da Plataforma e realizado o seu lançamento em um evento público.

Leia mais