close
Notícias

Astrônoma da USP lidera equipe que explica origem de nebulosa

010175191216-nebulosa-gaivota-1

Origem da nebulosa

Uma equipe internacional liderada pela astrônoma brasileira Beatriz Fernandes, do Instituto de Astronomia da USP, em parceria com o Instituto de Astrofísica de Paris, descobriu a origem da nebulosa Sh 2-296, que compõe a nebulosa conhecida como Gaivota.

O estudo também revelou que três estrelas dessa região, chamadas de fugitivas, foram ejetadas por diferentes explosões de supernovas há milhões de anos.

“Estudar regiões como essa é importante porque nós podemos entender como a morte de estrelas pode afetar a formação de novas gerações de estrelas e isso nos ajuda a entender melhor a evolução da nossa galáxia, como as estrelas se formam e evoluem em diferentes ambientes e sob a influência de fatores externos. As estrelas jovens dessas regiões também são protoplanetárias, que é onde vão se formar novos sistemas planetários”, explicou Beatriz.

A nebulosa Sh 2-296, conhecida como as “asas” da nebulosa da Gaivota, é uma extensa região no céu em forma de arco, associada à região de formação estelar Canis Major OB1, composta por estrelas jovens, gás e poeira.

As descobertas empregaram dados de vários observatórios, usando diversos tipos de emissões, como raios X, luz visível, infravermelho e rádio. Além disso, foi importante o uso de informações do observatório europeu Gaia, que está medindo a distância e os movimentos das estrelas da nossa galáxia. Essas informações permitiram, pela primeira vez, ter uma visão geral da formação estelar nessa região.

Estrelas fugitivas

A nebulosa Sh 2-296 é parte de uma enorme concha estelar descoberta pela equipe, que denominou a estrutura de “CMa shell” (concha CMa), e que foi formada por sucessivas explosões de supernova. “Ao analisar imagens da associação CMa OB1, vemos claramente que a nebulosa Sh 2-296 é de fato parte de uma grande estrutura, que pode ser aproximada por uma grande concha elíptica,” disse Beatriz.

O grupo identificou também três estrelas dessa região, chamadas de fugitivas, associadas a estruturas de choque em forma de arco, com uma origem comum perto do centro da concha CMa.

“Já se suspeitava há algum tempo que essa é uma região onde explosões de supernova poderiam ter desencadeado a formação de estrelas. Mas não havia ainda nenhum estudo conclusivo mostrando, por isso resolvemos investigar essas estrelas fugitivas, era justamente para tentar encontrar indícios de que poderiam ter ocorrido essas explosões de supernovas na região,” afirmou a astrônoma brasileira.

Segundo a pesquisadora, a equipe descobriu que as estrelas fugitivas provavelmente foram ejetadas de um aglomerado de estrelas progenitor, em três sucessivas explosões de supernovas ocorridas há aproximadamente 6 milhões, 2 milhões e 1 milhão de anos.

Fonte: Inovação Tecnológica.

Assessoria de comunicação

O Autor Assessoria de comunicação

A Inove Comunicação tem know-how na divulgação de eventos nacionais e internacionais e tem como missão dar, a cada cliente, visibilidade na mídia, consolidando a marca no mercado e perante a opinião pública.

Deixe um Comentário