close
Notícias

Arce regulamenta racionamento de água na Região Metropolitana de Fortaleza

no thumb

Agência Reguladora dá prazo de 30 dias para Cagece definir com antecedência medidas de eventual racionamento de água

Fotos produzidas pelo Senado

Com uma quadra chuvosa em 2016 abaixo da média histórica no Estado, a Agência Reguladora de Serviços Públicos Delegados do Ceará (Arce) demonstra preocupação com a situação hídrica no Estado. Tanto que emitiu resolução — a ser publicada no Diário Oficial do Estado — que inclui a regulamentação de racionamento de água.

Essa medida complementa outras já em execução como a tarifa de contingência da Companhia de Água e Esgoto do Ceará (Cagece) para Fortaleza e Região Metropolitana (RMF). O objetivo, segundo a Arce, é que “não haja maiores impactos sobre o usuário”.

A Agência fixou ainda um prazo de 30 dias para que a Cagece apresente as medidas de racionamento a serem aplicadas, caso ele ocorra. A companhia solicitou que esse período fosse estendido para 60 dias, mas o pedido foi rejeitado pelo Conselho Diretor da Arce.

No entanto, a Companhia de Gestão dos Recursos Hídricos (Cogerh) ainda não trabalha com a possibilidade de racionamento na RMF.

“No momento não tem sido discutida a questão de racionamento em Fortaleza e na RMF, devido ao atual período de quadra chuvosa em que ainda podem ter aportes nos reservatórios”, garante Ubirajara Patrício, diretor de planejamento da Cogerh.
Porém, Ubirajara reitera o alerta para uso consciente da água na Capital e Região Metropolitana. “Devemos continuar com as ações que já vêm sendo tomadas, bem como a necessidade de sensibilizar a população da RMF da situação de dificuldade de acúmulo de água nos açudes”, complementa.

Castanhão

Com as chuvas mais intensas de março e abril no Estado, o Castanhão voltou essa semana a registrar 10% de volume ocupado após quase 50 dias abaixo da marca, chegando a 9,45% no fim do último mês. No entanto, essa marca caiu e o principal açude do Estado e abastecedor da RMF fechou o dia de ontem com 9,97% da capacidade.

Os números ainda estão bem abaixo dos registrados no fim da quadra chuvosa do ano passado, quando o Castanhão encerrou o mês de maio com 20,77% da capacidade. Dos 153 açudes monitorados pela Cogerh, 79 (51%) estão abaixo dos 10% de volume.

9,97% foi o volume registrado ontem no Castanhão, principal abastecedor da Capital

Fonte: O Povo
Foto: Pedro França/Agência Senado

Comunicação

O Autor Comunicação

Deixe um Comentário